22 2772-2858

Av. Rui Barbosa, 270, Centro, Macaé-RJ

/associacaocomercialdemacae

/acimmacae

  • Benefícios da ACIM para o seu negócio

Petrobras anuncia injeção de R$ 6,3 bi na BR, que se prepara para lançar ações em Bolsa

Reestruturação de subsidiária prevê separação de dívidas a receber da Eletrobras

A Petrobras aprovou na manhã desta sexta-feira a reestruturação societária de sua subsidiária, a BR Distribuidora. Em comunicado direcionado ao mercado, a empresa informou que, entre as várias medidas previstas, está o aporte de capital pela Petrobras na BR, no valor de aproximadamente R$ 6,3 bilhões. Outra medida será a cisão da companhia com a separação da dívida com a Eletrobras referente à venda de combustível para as termelétricas da Região Norte.

A petroleira explicou ainda que a reestruturação inclui a cisão parcial da BR Distribuidora, com a separação de recebíveis decorrentes de contratos de confissão de dívida com empresas do grupo estatal Eletrobras que possuem garantias reais e dos recebíveis detidos pela BR com outras sociedades do sistema Petrobras.

A parcela cindida da BR será incorporada na Downstream Participações Ltda, subsidiária cujo capital social pertence integralmente à Petrobras.

A reestruturação societária da BR tem a finalidade de preparar a distribuidora de combustíveis para a oferta inicial de ações (IPO) que a Petrobras pretende realizar ainda este ano, como parte de seu plano de venda de ativos. A petroleira já anunciou que pretende ofertar entre 25% a 49% do capital da BR.

A Eletrobras e suas subsidiárias possuem dívidas bilionárias junto à Petrobras e à BR Distribuidora pelo fornecimento de combustíveis para abastecer termelétricas da elétrica estatal principalmente no Norte do país. O balanço de 2016 da BR mostrou que o total a receber das empresas que operam termelétricas na Região Norte, subsidiárias do grupo Eletrobras, somam R$ 6 bilhões líquidos de provisões para perdas.

Parte dessas dívidas é garantida pelo penhor de créditos oriundos de um fundo do setor elétrico que subsidia a geração térmica no Norte, a chamada Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), abastecida com cobranças de encargos nas contas de luz dos consumidores.

As dívidas, inclusive, já fizeram a Petrobras negar o fornecimento de combustível para uma enorme termelétrica da Eletrobras no Amazonas, que até o momento tem sido abastecida pela petroleira por força de decisão judicial.

A Petrobras afirmou ainda que o recurso gerado pela operação de aporte de capital na BR Distribuidora será utilizado integralmente para o pré-pagamento de dívidas contraídas anteriormente pela subsidiária e garantidas pela Petrobras.

A estatal disse que as operações serão realizadas a valor contábil e com base em laudo de avaliação, sem gerar impacto no resultado das empresas, uma vez que a totalidade do capital de ambas as sociedades pertence à Petrobras.

"A operação também não gera impacto relevante no patrimônio líquido da Petrobras e da BR", esclareceu a petroleira no comunicado.

As operações estão ainda sujeitas à aprovação em assembleia geral de acionistas da BR Distribuidora e pela reunião de sócios da Downstream. Deverá ainda haver manifestação da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais e deliberação sobre a incorporação da Downstream pelos órgãos societários competentes.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/economia/petrobras-anuncia-injecao-de-63-bi-na-br-que-se-prepara-para-lancar-acoes-em-bolsa-21746222#ixzz4rFZ8Boxp

 

 

ACIM © 2016 · Todos os direitos reservados.

Site desenvolvido pela Cavaleiros Comunicação - www.cavaleiros.com.br